Não é novidade que muitos dos Cientistas de Alimentos formados não atuam nas áreas mais técnicas do universo dos alimentos. A pluralidade do curso oferece ao profissional a oportunidade de conhecer e de atuar em outras áreas não diretamente relacionadas ao processo produtivo. Áreas estas que, muitas vezes, precisam de um profissional capacitado para atuar como uma ponte entre 2 mundos, como por exemplo, no Marketing.

Profissionais técnicos têm dificuldade de entender as estratégias de marketing, de se integrar em equipes de marketing, em se comunicar com profissionais de marketing e acabam “metendo os pés pelas mãos”, apesar de toda seriedade e legitimidade do conhecimento que carregam de suas determinadas áreas. Isso não quer dizer que profissionais de marketing também não tenham dificuldade em entender os pormenores científicos e acabam, muitas vezes, por ingenuidade, comunicando-se dificilmente com profissionais técnicos ou desenvolvendo produtos e estratégias criticáveis no âmbito dos alimentos, alimentação e nutrição. (GRAZINI DOS SANTOS, J.T.; AGUIAR, P)

Conheça também a Atuação do Cientista de Alimentos em empresas de software para lacticínios.

Os princípios do Marketing:
Afinal, o que é o Marketing?

A palavra Marketing parece muito simples, mas carrega em si uma ampla utilização.  A expressão tem tido uma forte conotação de propaganda, talvez pelo fato de as empresas que o utilizam estarem constantemente divulgando seus produtos e marcas na mídia. No entanto, propaganda é somente uma das ferramentas de Marketing.

Kotler, um dos maiores nomes desta área, define Marketing como um “processo pelo qual as empresas criam valor para os clientes e constroem fortes relacionamentos com eles a fim de, em troca, capturar valor deles.” 

Dica de leitura: Kotler e Armstrong, Princípios de marketing, 2014. Editora Pearson

E eu sei que neste momento o Marketing Digital é um dos termos que mais vem a sua cabeça, no entanto, para começarmos esta conversa é preciso definirmos um ponto primordial: marketing digital não existe! Canais digitais são ferramentas, assim como são revistas, jornais e panfletos, e para utilizar bem estas ferramentas,  precisamos entender o Marketing em sua essência, suas bases e fundações.

E se você Cientista pensa em seguir carreira nesta área, comece a estudar a sério os princípios do marketing (que não são o Facebook, ok?).

Você irá perceber que, ao conhecer os pilares do Marketing, aplicá-lo nas ferramentas digitais será muito mais fácil e fará muito mais sentido!

O protagonismo do Marketing Digital

Não podemos negar que, dentro do Marketing, as ferramentas do mundo digital têm sido as grandes protagonistas. E na área dos alimentos e da alimentação não poderia ser diferente.

Os canais digitais (websites, páginas de redes sociais e blogs) dedicados à alimentação e nutrição tornam-se cada vez mais populares em nosso dia-a-dia e podem ter uma influência significativa nas escolhas alimentares, no consumo de alimentos e no estado de saúde da população. Muitos autores já destacam o protagonismo da internet na procura por informações sobre alimentação e nutrição (Heuberger e Ivanitskaya, 2011; Dickinson, Watson e Prichard, 2018; Joulaei, Keshani e Kaveh, 2018).

Estes dados reforçam a necessidade da presença de profissionais, como o Cientista de Alimentos, em agências ou departamentos de marketing, de forma a colaborar na divulgação e promoção de informações corretas relativas a alimentos e alimentação. 

O que é preciso para atuar no Marketing?

A atuação no Marketing vai além do conhecimento técnico e domínio da área das ciências dos alimentos, como eu disse anteriormente, é necessário um conhecimento profundo dos fundamentos do Marketing que não fazem parte das unidades curriculares dos cursos de Ciências dos Alimentos/Ciência e Tecnologia de Alimentos.

O profissional interessado em seguir carreira nesta área de Marketing de Alimentos deve procurar especializações, pós-graduações e/ou MBAs em Marketing ou áreas relacionadas. Há também programas de Mestrado e Doutorado já focados em Marketing, Marketing Digital e que são essenciais para complementar a formação do cientista que deseja atuar em Marketing.

Sobre o Autor

Adriano Andreghetto é formado em Ciências dos Alimentos pela ESALQ/USP e Mestre em Marketing Digital pela Universidade Europeia (Lisboa) cujo tema da dissertação é “A procura por informação sobre alimentação saudável nos media digitais”.  

Vive em Portugal desde 2017 e é atualmente coordenador da Especialização Internacional em Marketing de Alimentos da Verakis e proprietário de uma agência de marketing especializada no setor agroalimentar (GOMO Portugal). Durante sua carreira já trabalhou com projetos nas áreas de sustentabilidade e desperdício de alimentos, com projetos em Portugal, Suíça e Alemanha.

LINKEDIN

Bibliografia

Dickinson, K M., Watson, M.S., & Prichard, I. (2018). Are Clean Eating Blogs a Source of Healthy Recipes? A Comparative Study of the Nutrient Composition of Foods with and without Clean Eating Claims. Nutrients, 10(1440), 1-10. doi:10.3390/nu10101440.

GRAZINI DOS SANTOS, J.T.; AGUIAR, P.;  Marketing de Alimentos para Iniciantes – com quem realmente faz marketing. Editora: Alexa Cultural. ISBN-10: ‎8554670523. Janeiro de 2018.

Heuberger. R.A. & Ivanitskaya, L. (2011). Preferred sources of nutrition information: contrasts between younger and older adults. Journal of Intergenerational Relationships, 9(2), 176-190. doi: 10.1080/15350770.2011.567919.

Joulaei, H., Keshani, P., & Kaveh, M. H. (2018). Nutrition literacy as a determinant for diet quality amongst young adolescents: a cross sectional study. Progress in Nutrition, 20(3), 455-464. doi: 10.23751/pn.v20i3.6705.

No responses yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *